IEF afirma que verba indenizatória será destinada para restauração da Casa do Brigadeiro


IEF afirma que verba indenizatória será destinada para restauração da Casa do Brigadeiro

Em reunião extraordinária realizada na última quinta-feira, 8 de abril, o Conselho Consultivo do Parque Estadual da Serra do Brigadeiro discutiu sobre a situação do casarão da Fazenda do Brigadeiro que precisou ser interditado, em março, devido problemas estruturais. A assessoria de comunicação do Instituto Estadual de Florestas (IEF) informou que durante o encontro foi exposto aos integrantes do conselho que o "IEF está desenvolvendo um projeto para viabilizar a reforma e que o projeto executivo encontra-se em fase de finalização". O bem tombado como patrimônio material de Araponga-MG está localizado no setor Norte do Parque.


O IEF afirma que o recurso de verba indenizatória da Anglo American será destinado ao Parque para viabilizar as obras de restauro do imóvel tombado. Para realizar a reforma, a assessoria de comunicação do Instituto disse que, provavelmente, será efetuada licitação pública, a fim de contratar empresa especializada para execução da obra de restauro, mas que isso ainda não foi definido.


O assunto ainda será discutido nas próximas reuniões do Conselho Consultivo, pré-agendadas para os dias 1° de julho, 19 de setembro e 16 de dezembro, onde o Conselho Patrimonial de Araponga possui cadeira. Desta forma, a assessoria do IEF enfatiza que o assunto está sendo tratado abertamente, através dos encontros oficiais.


O Instituto Estadual de Florestas (IEF) reforça, ainda, que o Parque do Brigadeiro e suas dependências estão fechados devido à Onda Roxa do Plano Minas Consciente, do Governo de Minas, adotado em razão da pandemia da covid-19. Portanto, a “Casa do Brigadeiro", equipamento situado na sede da Fazenda do Brigadeiro, também se encontra fechada. "Foi realizada vistoria no local e, em razão da situação encontrada no imóvel, os servidores que lá trabalhavam foram realocados para a sede administrativa do Parque. A decisão foi em caráter emergencial e não é permanente. Todas as janelas e portas do casarão foram lacradas, a fim de resguardar a integridade do patrimônio".


Questionados sobre a possibilidade de pessoas acessarem de forma irregular o Pico do Soares (1.985 metros de altitude), devido a falta de guarda-parques no local, a pasta disse, novamente, que será instalado um equipamento de vigilância remota e também serão realizadas rondas periódicas. "O IEF ressalta que o Pico do Soares é um local cuja visitação é proibida, conforme plano de manejo aprovado pelo Conselho Consultivo da unidade de conservação".