Conheça pousada e rapel na Serra do Brigadeiro | Região de Araponga

Atualizado: Ago 27



Para conhecer parte dos atrativos turísticos da Serra do Brigadeiro, nas proximidades da sede do Parque Estadual, fizemos um passeio nos dias 10 e 11 de junho. No primeiro dia, tivemos o auxílio da equipe de instrutores de turismo de aventura In Natura Ecoturismo, que encontrou nosso grupo no posto de gasolina em frente ao Bahamas, em Viçosa. Para chegar na cidade universitária, saímos de Juiz de Fora às 6 h e conseguimos chegar lá às 9 h. Fomos pela MG - 353 até Coronel Pacheco, momento que seguimos pela MG - 133 até Rio Pomba, depois a BR - 265 até Visconde do Rio Branco, a BR - 120 até Coimbra, depois a BR - 356 até Viçosa. Lá, seguimos a mesma via do posto até uma entrada a direita, quando pegamos uma estrada sentido a São Miguel do Anta, na BR - 482, que corta o Parque Estadual Serra do Brigadeiro. São em torno de 55 km entre Viçosa e a Pousada Serra d'Água, em Araponga.

Quando chegamos em Araponga, pegamos uma estrada de chão sentido a Pousada Serra d'Água. A pousada possui opções de quartos, chalés e área de camping (Veja os valores logo abaixo). Lá, conhecemos o casal com duas filhas. Eles iam fazer o passeio com a gente e também levaram seu cachorrinho Thor que nos acompanhou o tempo todo! Tomamos um café reforçado e fomos levados pelo Renato, dono da pousada, até o quarto que íamos ficar. O ambiente é bem aconchegante, com aquela carinha de 'roça da vó'. Depois disso, caminhamos rumo a uma trilha entre as pequenas propriedades dali. A maioria dos proprietários mantém o plantio do café. No final, nos deparamos com uma cachoeira, que devido o cultivo do eucalipto no seu topo, teve redução expressiva da queda d'água. No caminho, pudemos pegar mexerica no pé e outros frutos.

Após retornarmos, almoçamos uma comida caseira feita no fogão à lenha. Depois de descansar um pouco, fomos ao Poço das Bromélias onde seria o rapel para iniciantes. Para chegar no local, com vista para a Pedra do Pato, tivemos que seguir de carro pela estrada dentro da sede do Parque. Entramos na portaria de Araponga e saímos na portaria de Fervedouro, próximo ao distrito de Bom Jesus do Madeira. Depois das instruções prévias, descemos uma pedra mais baixa, com uns quatro metros, para acostumarmos com os equipamentos e aprendermos a forma correta de descer. Depois fomos para o poço, onde pudemos ver a bela vista de uma cachoeira que descia em meio as rochas. Em uma parte da descida ficamos pendurado pela corda, momento que eles chamam de parte 'negativa' da descida. Os instrutores Jonatas – que já trabalhou no E.R.A Esporter Radicais e Aventuras daqui de Juiz de Fora, e Gabriel, foram muito atenciosos e profissionais. No início, parte do grupo ficou mais arredio e com medo, mas a forma atenciosa deles quebrou o gelo e quase todos desceram o rapel, mais de uma vez, por sinal (rs).

Depois de voltarmos, descansamos um pouco e fomos comer um caldo no restaurante da pousada. A noite estava estrelada e o friozinho bem agradável! Todos que estavam hospedados foram chegando para uma confraternização.Tinha televisão ligada com músicas para nos deixar a vontade e quem queria tomar uma cervejinha ou vinho, era só pedir para o Renato. Tudo muito lindo!

No segundo dia, ficamos mais soltos. Por nossa conta! Tomamos café, depois ficamos aguardando o chuveiro esquentar, porque lá o forno à lenha que esquenta a água e como de manhã muita gente tomou banho, tivemos que esperar o proprietário esquentá-lo novamente. Dentro da pousada tem uma cachoeira com um lago grande na frente, que forma uma prainha. Bem agradável para se banhar em dias quentes e tirar fotos lindas!! Ah, lá tem espaço para fazer churrasco.

Retorno

Tiramos muitas fotos, almoçamos e decidimos retornar pelo lado de Fervedouro. Nesta rota, pegamos mais estrada de chão (que também estava em bom estado) para podermos visitar o mirante do Parque. Nestes últimos meses o parque não está abrindo o Centro de Visitantes devido a falta de funcionários. Mas, dá para tirar fotos lindas no mirante, onde tem uma capela. Até hoje moradores locais fazem procissão com missa no Parque, uma tradição muito antiga. (Veja a história da capela abaixo).

Antes de seguirmos viagem de volta, passamos pela Cachoeira do Piu para conhecer. Parece que o proprietário está se reestruturando para montar restaurante no local, mas quando passamos o espaço estava fechado. Depois continuamos até chegarmos na BR - 116. No distrito de São Francisco do Glória, em Bicuíba, passamos em uma lojinha de produtos regionais como queijo, cachaça, pó de café, doces e muito mais. Na Pousada, os proprietários também vendem pó de café produzido no local, de forma orgânica, sem agrotóxicos.

Como ficamos pouco tempo, não conseguimos fazer outros passeios. São muitas possibilidades, que vamos explorar aos poucos aqui no Portal! Próximo dali temos o Pico do Boné, mais famoso da região, fica 18 km de Araponga na região do Estouro, com seus 1.860 metros acima do mar, tem 360 graus de visão de toda região, sua trilha é a mais fácil do parque, são 4 km de trilha em estrada de uma antiga carvoaria da Belgo Mineira dos anos 60 em mata atlântica, nível de dificuldade leve.

Gastos

Para fazer o passeio, pagamos um pacote fechado de R$ 195 com direito ao café da manhã e almoço nos dois dias na pousada, hospedagem, rapel no Poço das Bromélias e caldo na noite de sábado. No tarifário diz que os valores dos quartos e chalés variam entre R$ 80 (solteiro) até R$ 140 (casal). O camping é R$ 20 por pessoa. Mas é bom consultar, pois eles fazem promoções com almoço incluso e outras coisas dependendo do mês.

Outra dica é para quem está vindo de ônibus. A Viação Vale do Ipiranga que faz os trajetos entre os municípios da Serra, a partir de Viçosa.

História Capela

[...] na ermida Antônio Martins, construída em 1908. No altar, sempre tem velas acesas com pedidos de toda sorte de gente que o considera quase um santo. Reza a lenda que ele era caixeiro por profissão e viajava com sua pequena tropa de burros, comercializando mercadorias pela região. Em frequentes visitas à casa do fazendeiro Manoel Bittencourt Godinho, conhecido como Sô Neco, ele enamorou-se de sua filha Manuela e a engravidou. Como era casado, fugiu com a moça. O fazendeiro pediu que uns jagunços seguissem a trilha, trouxessem sua filha de volta e matassem o safado. Antônio Martins foi barbaramente torturado antes de morrer. Ele foi morto no caminho da estrada de Araponga para Fervedouro, próximo ao pico do Grama. Familiares e amigos buscaram seu corpo e o enterraram no cemitério de Araponga.

Nos anos seguintes, começaram a surgir notícias de pessoas doentes que tinham sido curadas após fazerem orações para a alma de Antônio Martins. A ermida foi construída no local de sua morte. Na região tornou-se tradição fazer uma caminhada até lá para prestar homenagem à sua memória. Toda Sexta-Feira da Paixão e no Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, há romarias até a ermida. É comum você conversar com algum nativo e ele se despedir assim: “Vai com Deus e que a alma de Antônio Martins te proteja”.[...] - Fonte: Revista Viver Minas

#ecoturismo #turismodeaventura #rapel #territorioserradobrigadeiro #parqueserradobrigadeiro #pedradopato #pousadaserradagua #araponga #fervedouro #comidacaseira #cafe #natureza #unidadesdeconservação