Dezenas de pessoas manifestam contra mineradora em Belisário



No último sábado, 29 de outubro, Belisário, distrito de Muriaé, foi palco de manifestação contra a instalação de mineradora na região da Serra do Brigadeiro. O ato movimentou dezenas de pessoas engajadas, que levantaram cartazes e a voz contra a chegada da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), pertencente ao grupo Votorantim. A passeata, que saiu às 16h, teve organização e participação dos movimentos sociais e políticos locais, sindicatos, igreja, estudantes e moradores. A comunidade também abriga o Parque Municipal do Itajuru, uma Área de Preservação Ambiental (APA).

Conforme o Movimento Pela Soberania Popular na Mineração (MAM) o território da Serra do Brigadeiro, na Zona da Mata em Minas Gerais, concentra uma das maiores reservas de bauxita do país. A presença deste mineral em nossas terras tem atraído os olhares de empresas que almejam sua exploração. Uma dessas empresas é CBA, que já minera na região e projeta sua ampliação.

O MAM alerta que o atual modelo de mineração no Brasil beneficia somente as grandes empresas que destroem os territórios saqueando os minérios. “É um modelo de exploração que não tem nada a oferecer as comunidades, a não ser destruição de plantações, impactos na saúde, contaminação das águas, aterramento de nascentes e impactos sociais. Este modelo representa um projeto de morte que coloca o lucro acima da vida!"

O frei Franciscano, Gilberto reforçou a preocupação da igreja em não permitir a exploração de bauxita nessa região, onde há agricultura familiar, nascente, cachoeiras, conforme orientação do Papa Francisco, de pedir a proteção à Mãe Natureza, tema da Campanha da Fraternidade deste ano. “Vejo riscos ao meio ambiente e não há sequer como negociar o tema com a CBA, já que os interesses são totalmente incompatíveis”, afirma. Durante o protesto contra a mineração, teve encenação dos estudantes na praça da Igreja de Santa Luzia e muita música.

Fotos: Divulgação / Embelisário e Núcleo de Estudos Agroecologia